Gean Senhorini

Gean Senhorini

Da Assessoria

Na quinta-feira (23) Assis Chateaubriand, a exemplo de dezenas de municípios da região, foi contemplada novamente com material esportivo, que foi repassado pelo Governo do Estado a fundo perdido.

A entrega foi realizada em solenidade na Câmara Municipal de Cascavel com a presença do secretário de Esporte e Turismo do Paraná, Douglas Fabrício. Na oportunidade, estiveram presentes gestores, dirigentes e secretários municipais do esporte e turismo para receber o material e debater projetos e programas importantes para cada município.

 “Entregamos neste dia investimentos aos municípios que aderiram ao programa “Paraná Mais Esporte e ainda 59 municípios que receberam material esportivo para a realização dos jogos oficiais do Estado, entre eles os Jogos Escolares e os Jogos da Juventude”, afirmou o Secretário.

Estiveram representando Assis Chateaubriand, o secretário de Esportes, Celso Pommenering e a  coordenadora técnica de Esportes, Ivana Calisto. O Município recebeu os seguinte materiais: 50 mochilas, 20 bolas de futebol de campo, 40 coletes, 15 bolas de handebol, 05 luvas de goleiro, 16 pares de meião, 05 kits de camiseta e calção para treinamento.

 

 

 

 Da Assessoria

A secretaria de Saúde de Assis Chateaubriand realizou entre os dias 6 a 10  de março o segundo Levantamento Rápido de Infestação do Aedes aegypti (LIRAa) do ano de 2017, indicando através do levantamento um índice alarmante de infestação; 5,6 %. Sendo que este ano ainda está acima do preconizado pelo Ministério da Saúde que é menos de 1%. 

De acordo o responsável Fabio Fantin Camilo, Diretor de Vigilância em Saúde, a situação melhorou, mas ainda é preciso conscientização e comprometimento da população. “A população ainda precisa cuidar, a tendência é diminuir conforme a aproximação do inverno e preocupa sendo que o nosso índice aumentou no segundo LIRAa. Temos 4 casos positivos na cidade, sendo 2 autóctones e 2 importados. Dos testes realizados 71 foram negativos e 80 suspeitos, portanto a preocupação ainda continua pois a possiblidade de epidemia de dengue, Zika ou Chikungunya não está descartada ”, afirmou.

Diariamente, as agentes de endemias visitam as casas dos chateaubriandenses repassando informações e vendo possíveis focos.

Aprovada na noite de quarta-feira (22) pela Câmara dos Deputados e levada à sansão presidencial, a nova lei de terceirização vai mudar as relações entre trabalhadores e empresas.

Entre as principais mudanças aprovadas na norma, estão a que a empresa vai poder terceirizar atividades fim, ou seja, o serviço específico pelo qual a empresa foi criada.

O contrato de experiência também muda de 3 meses para 180 dias, não necessariamente seguidos.

Além disso, a responsabilidade pelos direitos trabalhistas do funcionário não é mais compartilhada entre a empresa que terceiriza e o local aonde o trabalhador presta o serviço. Agora, a responsabilidade é exclusiva das empresas terceirizadas.

 

O advogado Edson Veras, especialista em questões trabalhistas, explica sobre essas mudanças e como elas vão afetar as relações de trabalho na prestação de serviços.

Com a nova lei, em uma escola, por exemplo, os professores vão poder ser terceirizados. O mesmo pode acontecer com médicos em hospitais e motoristas em empresas de transporte, assim como em tantos outros ramos e atividades.

Antes, apenas a terceirização das chamadas atividades-meio era permitido por lei, como exemplo de um banco que contratava uma empresa de segurança.

O advogado pondera que, porém, o trabalhador terceirizado tem menos garantias e recebe menos.

Edson Veras entende que a possibilidade de terceirizar a mão de obra não aumentará o número de vagas de emprego no país, como foi defendido por muitos políticos da base do governo.

Diversas entidades sindicais repudiam o processo de terceirização do trabalho no Brasil. Quem traz mais informações é Norberto Notari.

Com informações da Agência Brasil e Agência Rádio Web – Colaboração: William Borges

Confira o áudio no vídeo

 

Mais da metade dos municípios do Paraná registrou saldos positivos de emprego em fevereiro. Das 399 cidades no Estado, 269 - ou 67,4% delas, geraram vagas no mês passado. Os dados são do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados do Ministério do Trabalho.

O Estado registrou em fevereiro um saldo positivo de 9.962 vagas. Foi o segundo mês consecutivo de aumento na geração de emprego. O volume foi o dobro do registrado em janeiro (4.973).

Entre os Estados, o Paraná foi o segundo com maior distribuição da geração de vagas entre os municípios, só perdendo para o Mato Grosso do Sul, com 68,4% dos seus 74 municípios com saldo positivo.

Dos 100 municípios com maior saldo de vagas no País em fevereiro, 12 são do Paraná. Curitiba foi a cidade que mais gerou emprego no Estado, com saldo positivo de 696 vagas. A capital ficou em terceiro lugar no ranking do País, atrás de São Paulo (4.649) e Belo Horizonte (883).

Na sequência vieram Cascavel (585), Capanema (489), Londrina (473), Toledo (414), Ibiporã (391), Francisco Beltrão (367), Rio Negro (366), Pato Branco (329), Maringá (322), Ponta Grossa (312) e Palotina (298). No caso de Palotina, a cooperativa C.Vale é a grande impulsora da mão de obra na cidade.

Fonte: Bondenews

 

A catarata é uma doença que atinge quase metade da população mundial com mais de 65 anos de idade. No Brasil, são 2 milhões de pessoas com o problema de visão e, a cada ano, surgem cerca de 120 mil novos casos.

A catarata é uma doença que atinge o cristalino, uma lente natural no olho. Ela acontece quando essa lente perde a transparência e fica opaca.

Um dos primeiros sintomas é a vista embaçada. Ocorre uma perda progressiva de visão que vai aumentando com o passar do tempo.

O médico Armando Crema, membro da Sociedade Brasileira de Oftalmologia, alerta que a catarata é a principal causa de cegueira evitável ou curável no Brasil.

O tratamento é apenas cirúrgico e muitas vezes após a cirurgia, além de tratar o problema da catarata, também melhora a visão e corrige o grau, caso o paciente tenha.

Apesar de não ter fatores de risco, o oftalmologista explica que a doença pode estar relacionada a alguns hábitos do paciente. Armando diz ainda que a cirurgia é segura.

Apesar de ser mais frenquente em pessoas acima dos 60 anos, a catarata também pode afetar bebês, crianças e adultos jovens. Por isso, a Sociedade Brasileira de Oftalmologia diz que é importante que as pessoas sempre façam avaliações de rotina com um profissional da área. No caso dos bebês, o teste do olhinho deve ser feito ao nascer.

Fonte: Agência do Rádio – Colaboração: William Borges

Confira o áudio da reportagem no vídeo:

Qualidade da água e investimentos devem ser discutidos nesta sexta

A Sanepar e Prefeitura Municipal realizam nesta sexta-feira (24), em Assis Chateaubriand, um encontro com a comunidade local. Na oportunidade, serão discutidos, avaliados e abordados vários assuntos, como a qualidade da água distribuída para a população e os investimentos da empresa no município, com a presença do presidente da Companhia de Saneamento do Paraná, Mounir Chaowiche.

O evento acontece no Centro de Convenções da prefeitura (antigo auditório) e tem início previsto para as 19h. O cadastramento dos participantes será feito a partir das 18h.

Marcel Micheletto (PSDB), prefeito de Assis, convida os cidadãos a participarem do encontro.

Segundo Marcel, uma das principais reivindicações que deve ser reforçada para a direção da companhia é a ampliação do saneamento básico no município, com o tratamento da rede de esgoto. De acordo com o prefeito, hoje, 55% conta com essa estrutura sanitária.

Reportagem: William Borges/Erico Malvezi

Confira o áudio da reportagem no vídeo:

 

Por: William Borges

O prefeito de Assis Chateaubriand, Marcel Micheletto (PSDB), comentou sobre o impacto da Operação Carne Fraca, da Polícia Federal, sobre o mercado nacional de carnes.

Para Marcel, a maneira como as informações foram proliferadas à população, generalizando as irregularidades encontradas, trarão grandes prejuízos para a cadeia produtiva, especialmente na região oeste paranaense, onde, inclusive, está previsto um dos maiores investimentos frigoríficos do Brasil, para construção da maior indústria de abate de suínos da América Latina, em Assis Chateaubriand.

Confira o áudio do Prefeito Marcel Micheletto no vídeo:

Multas por beber e dirigir caíram no Paraná

As infrações de trânsito por beber e dirigir caíram no Paraná no ano passado. Segundo o Departamento de Trânsito do Paraná (Detran-PR), foram 9,2 mil infrações registradas em 2015 e 8 mil em 2016.

A Lei Seca, em vigor há mais de sete anos, determina que o condutor que tiver nível igual ou superior a 0,3 miligramas de concentração de álcool por litro de ar alveolar pode ser preso. Neste caso, o motorista comete crime de trânsito e deve ser encaminhado à delegacia.

Quem se recusa a fazer o teste bafômetro, ou qualquer exame que detecte a influência de álcool ou drogas, paga multa de R$ 2.934,70, tem a carteira de habilitação suspensa por 12 meses e o veículo retido. Além disso, o agente de trânsito pode fazer a comprovação da embriaguez por meio de testemunhas, vídeos e sintomas evidentes como hálito, sonolência e agressividade.

Na terça-feira (21), o governador Beto Richa entregou mais 384 bafômetros para a Polícia Militar usar em blitz de trânsito. Os aparelhos são específicos para fiscalização policial e foram entregues no Batalhão de Polícia do Trânsito, em Curitiba, para que sejam distribuídos para todas as regiões do estado.

O comandante-geral da Policia Militar, Coronel Maurício Tortato, destacou a redução nos últimos dois anos do número de motoristas flagrados dirigindo sob influência de álcool. Segundo ele, a expectativa é que o número diminua ainda mais, com os novos equipamentos.

O diretor-geral do Detran, Marcos Traad, disse que  o investimento em equipamentos é essencial para coibir comportamentos de risco.

Beto Richa ressaltou que o Governo do Estado está modernizando a estrutura para melhorar a qualidade dos serviços de atendimento à população paranaense, neste caso, para equipar as fiscalizações.

Dirigir sob influência do álcool ou embriagado corresponde a 10% dos acidentes com mortes nas rodovias federais no Paraná. Um levantamento da Polícia Rodoviária Federal mostra que essa é quarta maior causa de acidentes no estado, ficando atrás apenas de excesso de velocidade (31,2%), falta de atenção (28,5%) e desobediência a sinalização (11,2%).

Fonte: Agência Estadual de Notícias

Confira os áudios da notícia no vídeo:

 

Cerca de 1,7 mil funcionários da BRF Brasil Foods entraram em férias coletivas nesta segunda-feira (20). Os trabalhadores atuam em uma linha de produção da marca Sadia, em Toledo, no oeste do Paraná.

A BRF informou que a fábrica vai passar por uma reforma, que pretende modernizar as linhas de produção de suínos e outros produtos industrializados. O trabalho deve durar 15 dias.

De acordo com a Brasil Foods, a paralisação das atividades não está ligada à Operação Carne Fraca, deflagrada pela Polícia Federal na sexta-feira (17). A empresa é uma das investigadas pelos policiais.

Fonte: BRF

 Fonte: Bem Paraná

Fiscais da Superintendência do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento fizeram "vista grossa" a irregularidades em frigoríficos no Estado do Paraná em 2014. Os agentes públicos deixaram de aplicar R$ 453.807,08 em multas, referentes a 29 irregularidades encontradas em oito frigoríficos naquele ano. A conclusão é de um relatório da CGU (Ministério da Transparência, Fiscalização e Controladoria Geral da União).

O documento foi apresentado em dezembro de 2016, após dois anos de auditoria. A investigação da CGU aponta diversos problemas na fiscalização do Ministério da Agricultura em relação à produção de carne bovina no Paraná e divulgado nesta quinta (23) no portal Uol.

Os frigoríficos do Estado estão entre os principais alvos da Operação Carne Fraca, desencadeada pela Polícia Federal na sexta¬feira (17) com a prisão de 37 pessoas entre funcionários de frigoríficos e servidores públicos. A operação da PF investiga irregularidades e fraudes na fiscalização da produção de carne no Brasil. Das 21 empresas investigadas, 18 ficam no Paraná.

Segundo o relatório da CGU, fiscais do Paraná deixaram de autuar empresas em casos como: presença da bactéria salmonela, sem medidas para acabar com a contaminação; falta de data de produção e validade em produtos inspecionados;transporte de produtos desrespeitando a temperatura máxima permitida; descumprimento de medidas relacionadas à saúde física e mental dos animais; falta de iluminação e pavimentação em alguns frigoríficos; resíduos de sabão em mesa de manipulação de miúdos; e problemas de higiene (como funcionários trabalhando sem uniforme, restos de sangue e carne secos nas paredes e funcionários lavando os uniformes de trabalho em casa).

A auditoria da CGU também constatou que, em 2014, a equipe de fiscalização de bovinos fez apenas metade das inspeções in loco nos frigoríficos que estavam programadas para aquele ano. Dos 16 estabelecimentos que produzem carne bovina no Paraná, só oito tiveram o local de produção inspecionado como deveriam.

Pagina 1 de 206

Atenção

A reprodução deste conteúdo somente é permitida desde que seja dado o crédito à Rádio Jornal 1470 AM, informando o endereço www.radiojornalam.com.br

Para a reprodução de conteúdo fora das condições especificadas entrar em contato com o seguinte e-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

A Rádio Jornal 1470 AM retém os direitos autorais do conjunto de textos e fotos publicados no site conforme a Lei 9.610/1998.